Monthly Archives: November 2008

Pentágono proibiu pens USB por causa dos vírus

Pentagono

O Pentágono, sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, proibiu os seus funcionários de utilizarem “pens USB”, como forma de evitar a propagação de vírus. Apesar do Pentágono não ter anunciado oficialmente, foram enviados emails internos a solicitar que os funcionários devolvam todas as “pens” que tinham sido distribuídas.

A informação foi avançada pelo portal VNUNet, no entanto Bryan Whitman, porta-voz do Departamento de Defesa norte-americano, já admitiu a existência de uma epidemia global de “pens” infectadas ,apesar de não adiantar se o Pentágono proibiu ou não o seu uso. Algumas empresas que produzem “memórias Flash” já se manifestaram em relação a este assunto, realçando que as entidades empregadoras que decidam proibir completamente o uso de “pens USB” estarão a reduzir a produtividade e eficiência.

A solução para o problema do Pentágono não passa pela proibição do uso de “memórias Flash”, mas sim pela adopção de software mais seguro. Se os EUA seguissem o exemplo de outros países e optassem por utilizar sistemas operativos Linux nas suas entidades governamentais, estas coisas não aconteciam.

Natal: A Popota está de volta com Tony Carreira

A Popota voltou para mais uma campanha de Natal do Modelo e desta vez não vem sozinha. No anúncio deste ano, a mascote mais sensual do Natal aparece com um companheiro, inspirado no cantor Tony Carreira.

O spot publicitário serve para promover o CD de Natal da Popota, cujas receitas irão reverter para a “Causa Maior”, um projecto de solidariedade que o Modelo criou para apoiar causas da Cruz Vermelha Portuguesa dedicadas aos idosos. O álbum tem 12 faixas, incluindo um dueto com o Tony Carreira, e custa 3 euros, revertendo 1 euro para a Cruz Vermelha.

Este ano a campanha publicitária mostra uma Popota mais contida a nível de vestuário, mas que continua a ter uma fraca relação com a quadra natalícia. No spot são retratados filmes como Pulp Fiction, Titanic e Saturday Night Fever, onde a Popota e o Tony, em versão hipopótamo, são os protagonistas. Pergunto-me se o target da Popota alguma vez viu algum destes filmes.

Contudo este ano a Popota também trás novidades multimédia: tem um canal no Youtube, um perfil no Hi5 e até um jogo de telemóvel cujas vendas, ao que parece, não revertem para a “Causa Maior”.

Mas enganam-se os que pensam que as novidades acabam por aqui, pois deixei para último a mais surpreendente: a Popota está agora agenciada pela Glam (uma agência de celebrity management).

Continue reading

Estudo: Na União Europeia os Jovens portugueses são os mais interessados em Ciência e Tecnologia

Um estudo realizado pela Comissão Europeia (CE), realizado em Setembro de 2008, revela que os jovens portugueses são os europeus que demonstram mais interesse por notícias sobre Ciência e Tecnologia. Para este estudo foram inquiridos 25.000 jovens da União Europeia (UE), com idades entre os 15 e os 25 anos.

Segundo este inquérito, intitulado “Os jovens e a Ciência” (“Young people and Science“), 86 por cento, dos 1001 jovens portugueses inquiridos, manifestaram interesse em notícias sobre Ciência e Tecnologia. Este valor é o mais elevado da UE, onde a média de jovens cativados por estas áreas ronda os 67 por cento.

O tópico científico que mais atrai os jovens portugueses é “as descobertas médicas e do corpo humano”, com 53 por cento dos inquiridos a revelarem “muito interesse” nestas notícias. No campo da Tecnologia, o que desperta mais a atenção dos portugueses são as notícias sobre “novas invenções e tecnologias”, registando-se 66 por cento de inquiridos a afirmar que têm “muito interesse”. “O universo, o espaço e as estrelas” parece ser o que suscita menos entusiasmo, pois apenas 29 por cento dos jovens lusos revelaram ter “muito interesse” nesta temática.

Este estudo também revela que os jovens portugueses revelam pouco interesse nas Hard News (política e economia).

Apesar dos jovens estarem muito interessados em notícias sobre Ciência e Tecnologia, a comunicação social portuguesa dá muito pouco tempo de antena a estas temáticas, perdendo assim potenciais leitores/telespectadores/ouvintes.